• Sexsência

Dzi Croquettes

"O tapa com luva de pelica numa sociedade hipócrita que se estende até hoje."


Por Lorrayne Lovely



A pedido da minha chefe, Marianna Kiss, assisti o documentário do Dzi Croquettes que mexeu muito comigo e por isso resolvi escrever algo sobre e, como sempre, fazendo um paralelo aos dias atuais. Como eu gosto de afronto, porque não falar de um grupo que surgiu remando totalmente contracorrente? Primeiramente quero agradecer aos queridos Kiko Guarabira (bailarino da 3° montagem do espetáculo), e ao querido Bayard (bailarino do elenco original) que me deram um ótimo suporte para tal matéria.


Devemos tirar nosso chapéu para esses artistas mundialmente conhecidos por seus espetáculos recheados de muito humor, brilho, música, dança e histórias baseadas nas questões da época. As coreografias eram assinadas por Lennie Dale que emocionava a plateia e fazia todo mundo se reconhecer em algum momento nos espetáculos que por diversas vezes tiveram Liza Minnelli e Maurice Bejart na primeira fila.


Dzi Croquettes surgiram em 1972 na mesa de um bar, numa época de ditadura, onde simples poesias, por exemplo, eram vistas como ofensivas e proibidas de serem executadas... Imagine, então, um grupo de 13 artistas gays, travestidos como mulher, com roupas curtas que os deixavam quase nus, em coreografias que poderiam muitas vezes serem chamadas de vulgar. Foram 21 anos de governança dos militares em um sistema ditatorial onde canais de informação e produções culturais sofreram muito. O sucesso veio imediatamente no Brasil e também no exterior a ponto de, quando foram para Europa, o auge da noite de Paris era assistir Dzi Croquettes, que mesmo sofrendo boicotes da imprensa europeia, ganharam o mundo com muita originalidade.


O espetáculo Dzi Croquettes era deslumbrante, baseado nos blocos das piranhas do carnaval, onde não existia homem nem mulher, onde todo mundo podia ser todo mundo e fazer o que quisesse. Acredito que por isso tenha sido um sucesso, pois mesmo vivendo em meio ao caos a sociedade já estava começando a se preparar para entender que não existe "coisa de homem" e "coisa de mulher", todos são todos!


Será que podemos dizer que estamos revivendo o passado? Nos dias de hoje onde as pessoas problematizam tudo e apontam o dedo dizendo o que você pode ou não fazer, posso me arriscar a dizer que Dzi Croquettes é um exemplo, pois desde aquela época, eles batiam o pé e afirmavam que qualquer um poderia ser o que quisesse. A verdade do espetáculo e a forma que as histórias eram contadas, faziam o público se emocionar, pois a delicadeza de cada momento retratava o cenário da época, época essa que se trouxermos para os dias de hoje, poderemos afirmar que está acontecendo a mesma coisa. O novo incomoda, assusta e as pessoas não estão preparadas ainda para isso, mas paro para pensar quanto tempo se passou desde 1964 que foi um período horrível de ditadura... Hoje, 2020, não era para já ser tudo diferente? SIM! Mas, infelizmente não é, pois nossa sociedade ainda se incomoda com o a vida do próximo acreditando que pode influenciar na sua. Sejamos como os 13 barbudos eu faziam parte do Dzi Croquettes, que saibamos enfrentar com muita inteligência os percalços da vida, mostrando que com respeito e dignidade podemos fazer dos nossos dias uma chuva de cores e que devemos ter como objetivo o bem de todos. Acredito que quando nos depararmos com alguma situação que seja de ódio, por exemplo, de julgamento e injustiça, temos de responder ao contrário, pois somente com muita coerência vamos conseguir mostrar às pessoas que as vidas seguem normalmente independe da forma que viemos ao mundo e escolhemos viver.


Que possamos fazer como Dzi Croquettes: viver intensamente com muito brilho, glamour, conduzindo a dança da nossa vida e lembrando sempre do AMOR, pois como dizia Vagner Ribeiro, a "Mãe do grupo", "SÓ O AMOR CONSTRÓI".


Dzi Croquettes marcou a cultura brasileira com irreverência, que saiu dos padrões da época para contestar a sociedade de forma inteligente e bem humorada, e é o que também devemos fazer.


#diversidade #dzicroquettes #lorraynelovely #sexyfair2020

0 visualização

Quanto o nosso conteúdo modificou a sua vida?

A Equipe Sexsência é composta por 6 profissionais que dão seu máximo para a produção de conteúdo nas redes sociais, nas matérias da revista e na produção das lives com entrevistados. 

Nós trabalhamos de forma colaborativa e sem pro labore. 

Apoie o nosso trabalho para que continuemos levando a você conteúdo de qualidade com muita criatividade. Basta apontar o leitor de QR Code de seu celular para contribuições pontuais ou escolha nosso crowdfunding mensal. 

© 2020 by Sexsência

Crowdfunding

Em breve